Nova plataforma possibilita acesso à informações sobre a covid-19 e teleatendimento com profissionais da saúde

O sistema Orienta Corona RN, que integra o ecossistema tecnológico criado pelo Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), é a ferramenta de mais fácil acesso sobre o novo coronavírus voltada diretamente para auxiliar a população.

O objetivo é oferecer orientações para a população informações para seu autocuidado, multiplicando ações de prevenção individuais e coletivas nos seus domicílios, bairros e comunidades, e assim diminuindo a sobrecarga nos serviços de saúde.

Por meio de perguntas simples e diretas, o sistema procura identificar a necessidade do usuário relacionada à COVID-19. O indivíduo tem acesso online ao sistema, que pode ser acionado pro qualquer dispositivo com acesso à internet. O serviço, de acordo com seus idealizadores, é composto por dois níveis:

1º nível – Autoatendimento: onde o usuário passa por um atendimento virtual, feito pela inteligência artificial do serviço, fazendo uma triagem e tirando as dúvidas sobre o Coronavírus e a Covid-19.

2º nível – Teleatendimento: caso o usuário necessite de mais informações é direcionado ao teleatendimento em um chat, que será feito por um grupo de estudantes de medicina com a supervisão de profissionais da área de saúde, com uma orientação de forma mais detalhada para quem procurar o serviço.

De acordo com professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Lyane Ramalho Cortez, coordenadora do grupo de atendimento do Orienta Corona RN, a ferramenta é muito importante no plano de ação da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap/RN) para o atendimento de possíveis infectados pelo Coronavírus.

“O aplicativo orienta as pessoas a tirarem dúvidas sobre os cuidados para evitar o contágio, se precisa ou não ir a unidade de saúde, se precisa ou não usar algum medicamento, quais são os sintomas da Covid-19, dentre outras dúvidas…”

“O objetivo é fornecer o máximo de informações, para ajudar a população a ter esclarecimento maior em relação a doença como um todo. É uma ferramenta de muita educação, e ainda está ajudando na qualificação do serviço de saúde. Tudo isso para evitar super lotação nas unidades de saúde e nos hospitais”, afirmou ela.”

Tecnologia e informação aliadas num trabalho em conjunto
A criação do Orienta Corona RN é resultado da parceira coletiva de várias órgãos e instituições no combate a pandemia do novo coronavírus no Rio Grande do Norte, unindo o trabalho de profissionais de tecnologia da informação.

O serviço tem colaboração da Secretaria de Educação a Distância da UFRN (SEDIS), da SESAP, da Secretaria Municipal de Saúde de Natal, do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL/UFRN), da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESC/UFRN), do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Ministério da Saúde.

A professora Lyane Ramalho destaca ainda que o serviço auxilia as secretarias de saúde nas seguintes ações:

1. Orientar a população sobre a necessidade de só acessar a Unidade Básica de Saúde em casos necessários, os quais não possam ser adiados, sendo o Teleatendimento (TA) feito pelo aplicativo uma forma de identificar essa situação.

2. Os dados colhidos pelo aplicativo indicarão se o usuário que está realizando o acesso é do grupo considerado de risco. Deste modo, o mesmo terá acesso na fila prioritária para o teleatendimento.

3. Orientar o cuidado nos grupos mais vulneráveis, com ênfase nos idosos, mesmo que esses não sejam sintomáticos respiratórios.

4. Monitorar os usuários que sejam encaminhados pelo teleatendimento para atendimento pelo Instituto de Medicina Tropical (IMT) ou para consulta presencial (contato em até 48h).

5. Orientar e apoiar o usuário quando detectado que o mesmo está em sofrimento psíquico decorrente do isolamento social.

6. Contribuir para a identificação de pessoas em situação de extrema vulnerabilidade por falta de apoio familiar e comunitário, com encaminhamentos para as instâncias devidas.

7. Apoiar e orientar os profissionais de saúde no que tange à educação permanente sobre o Covid-19, dúvidas sobre fluxos de encaminhamento e referência, e em como realizar a notificação de forma correta.

8. Socializar um mapeamento das UBS (Unidade Básica de Saúde) de municípios, a começar pelo município de Natal, de forma que o usuário possa ter conhecimento dos serviços de saúde mais próximos da sua residência e que estão aptos a atendê-lo quando necessário.

VIA: LAIS (Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde)