Joaz exonerou comissionados na tentativa de dificultar investigação do MP, diz decisão judicial

O prefeito de Extremoz, Joaz Oliveira, exonerou em 2019 cerca de 47 comissionados na tentativa de frustar ou dificultar investigação de Improbidade Administrativa.

Essa foi uma das conclusões baseada nas provas colhidas no caso de Ação Civil por improbidade movida pelo MP (Ministério Público) contra Joaz, a empresa RB Locações e mais sete pessoas.

O fato foi citado na decisão do Juiz Diego Costa Pinto da Vara Única de Extremoz que resultou na indisponibilidade de bens dos envolvidos.

Segundo relato da decisão um dia após torna-se ciente das provas e da investigação do MP o prefeito Joaz Oliveira promoveu um grande número de exonerações.

“Entre os exonerados, cerca de 47 pessoas, uma sobrinha de VALDEMIR [ex-vereador Mica] e um ex-funcionário desse, além de diversas pessoas que constam como doadores da campanha eleitoral de Joaz.

Folha 06/09 da decisão judicial.

As exonerações foram oficializadas no Diário Oficial do Município e publicadas aqui, então secretários, secretários adjuntos, coordenadores e chefes de programas foram exonerados, na epóca o prefeito alegou “enquadramento das despesas de Gastos com Pessoal“.

É possível encontrar o nome de Jéssica Adda Cordeiro, a sobrinha do ex-vereador Mica citada na decisão, atualmente ela é conselheira tutelar, efetivada após intervenção da comissão eleitoral, que impugnou os três primeiros locados.

Também são diretamente citados como exemplos Elza Priscila Sales dos Santos que foi secretária de habitação e Poolewergnton Lincool Silva de Lima que era assessor especial.