III | Há 3 anos, em clima de festa, Joaz e Macho eram declarados os vencedores da eleição de 2016

PARTE III/III

Nos “bastidores” da campanha o que se ouvia falar era que Joaz prometeu um cargo para cada vereador da sua base que não fosse eleito. Chegamos ao dia 02 de outubro de 2016, por volta das 19:30 já havia uma grande concentração na Praça dos Três Poderes.

Nesse horário Joaz estava na frente e já era considerado eleito, no final da apuração o “filho da terra” conseguiu o número histórico de 8.998 votos, 181 votos a mais do que todos os outros candidatos juntos.

Também foram eleitos 6 vereadores da base aliada: Renato Leite, Rilder Jordão, Josias, Professor Cleiton o gordo, Fabio Vicente. No dia 01 de Janeiro de 2017 todos tomaram posse, em um ato histórico Joaz e os demais caminharam até o Hospital Municipal Café Filho.

O hospital e maternidade estava sem médico e Joaz junto com Macho o reinauguraram simbolicamente e naquele momento, todos pensaram que o filho da terra, gente da gente, ia realmente mostrar que era possível uma cidade diferente.

Mas fazendo um panorama de 02 de outubro 2017 até hoje, 02 de outubro de 2019, é possível ver que o brilho nos olhos que existia na época já não brilha mais atualmente. O que podemos ver hoje é uma gestão fragilizada, que rompeu alianças e chegou a fazer o que ele mesmo impediu o ex-gestor de concretizar.

Joaz prometeu que todos os secretários seriam de Extremoz, no início a promessa foi cumprida, mas por pouco tempo, começando pela exoneração do então secretário de educação o Professor Fabiano que foi candidato a vereador na base aliada do prefeito mas não foi eleito.

Em fevereiro desse ano o vice-prefeito Macho declarou que “Nem todos sabem, mas até hoje não tenho sequer um birô de vice-prefeito para sentar na prefeitura” e que nunca foi chamado por Joaz para construir o projeto administrativo e nem para participar das decisões pertinentes relacionadas ao município.

Prometeu uma gestão participativa, ouvir o povo, os sindicatos, mas não escutou quando disseram que não queriam o Regime de Previdência Própria que ele mesmo foi contra na gestão de Klauss e junto com sua base aliada aprovou em 2018.

Tem muito mais coisa, nomeou parentes, sua cunhada foi afastada por recomendação do MP suspeita de chefiar a venda de habite-se, tentou eleger a esposa deputada estadual, é investigado por crime eleitoral e etc…

E no fim de toda essa história que ficará marcada no município a pergunta que fica é: O que houve com o filho da terra, gente de nossa gente, que ia mostrar que era possível uma cidade diferente?