Fundaj lança Concurso Nordestino do Frevo

Maestro Duda - Divulgação

O Concurso Nordestino do Frevo, da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), por meio da Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte (Dimeca), está com inscrições abertas a partir desta segunda-feira (31), até o dia 30 de junho.

O certame premiará 12 artistas em seis categorias, com até R$ 10 mil. O investimento total do projeto é de R$ 92 mil. As categorias são: Melhor Frevo de Rua, Melhor Frevo de Bloco, Melhor Frevo Canção, Melhor Intérprete, Melhor Arranjo e o novo Hino para a troça Turma da Jaqueira Segurando o Talo.

O edital foi publicado no Diário Oficial da União, nesta sexta-feira (28), e pode ser conferido também no site www.fundaj.gov.br.

A iniciativa é lançada em um momento importante para o frevo, que este ano passa por um processo de revalidação como Patrimônio Cultural do Brasil (título conquistado em 2007), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Esse procedimento ocorre periodicamente e busca uma posição da sociedade, que tem 30 dias para se manifestar, a partir de 14 de maio.

Para disputar o Concurso Nordestino do Frevo, os artistas devem ser residentes em um dos nove estados do Nordeste e apresentar produções completas e inéditas. Ou seja, composições e arranjos gravados e finalizados.

O material e as documentações, específicas à categoria a que os candidatos concorrem, devem ser anexados ao formulário eletrônico disponível na página da Fundaj. A avaliação das documentações será feita por uma Comissão de Habilitação, no período de 13 a 22 de julho.

A divulgação dos habilitados será feita no dia 23. Já o julgamento, passará por uma comissão correspondente entre os dias 26 de julho e 26 de agosto, com a divulgação dos vencedores no dia 30 de agosto.

Os resultados de todas as etapas serão publicados no Diário Oficial da União e no site da Instituição. O prazo para a apresentação de recursos será válido logo após a divulgação dos vencedores, em 30 de agosto, até o dia 3 de setembro.

A entrega dos prêmios será promovida no dia 14 de setembro, quando o País celebra o Dia Nacional do Frevo.

“A iniciativa foi pensada para incentivar a produção de novos frevos e, claro, fomentar o setor cultural neste momento em que vivemos. No Século XX, o ritmo exerceu importante função social de inclusão para a região. Pretendemos que ele continue estimulando o passo afiado, mesmo em tempos de adversidade”, ressalta o presidente da Fundaj, Antônio Campos.

Todas as exigências, orientações e detalhes do procedimento de avaliação podem ser conferidas na íntegra do Edital. Dúvidas e informações referentes ao certame podem ser esclarecidas através do e-mail concursonordestinodofrevo@fundaj.gov.br.

Homenagem
Para brindar os novos compositores e intérpretes, o Concurso Nordestino do Frevo decidiu homenagear um veterano. José Ursicino da Silva, o Maestro Duda, é referência no mundo do frevo. Regente, compositor, arranjador e instrumentista, já participou da gravação de mais de 100 discos, tendo suas músicas gravadas também no exterior.

Maestro Duda – Divulgação

Eleito Patrimônio Vivo do Estado de Pernambuco, em 2010, Duda foi homenageado do Carnaval do Recife, em 2011, além de ter recebido, em 1980, o prêmio de melhor arranjo de Música Popular Brasileira.

Nascido em 1935 na cidade de Goiana, Zona da Mata Norte de Pernambuco, começou os estudos de música aos oito anos, e aos dez se tornou integrante da Banda Saboeira. Nesse mesmo período, escreveu sua primeira composição, o frevo “Furacão”. Além dos frevos, ele compôs choros e sambas gravados por Jamelão.

“É um imenso prazer e felicidade ter sido escolhido para ser o homenageado do concurso. Participei de muitos concursos de frevo, mas fazia tempo que já não se falava mais nisso. É um incentivo para os compositores pernambucanos e nordestinos”, comemora o Maestro Duda.

O Frevo
Reconhecido Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO, desde 2012, o espetáculo que ganha às ruas sobretudo no Carnaval tem sua data comemorada em 14 de setembro, o Dia Nacional do Frevo.

Uma homenagem ao jornalista Oswaldo Oliveira, do extinto periódico pernambuco Jornal Pequeno, que cunhou o termo. Mesmo tendo origem no Recife, o ritmo é celebrado por todo o Nordeste.

“O frevo é um ritmo regional e, por isso, o concurso é válido para artistas de todo o Nordeste. Nosso objetivo é mostrar a dimensão e relevância do frevo pelos nove estados e celebrar a história desse patrimônio cultural e social”, explica o diretor da Dimeca, Mario Helio.

CONFIRA O EDITAL

Confira os detalhes das categorias e premiações:

Melhor Frevo de Rua
1º lugar: R$ 10 mil
2º lugar: R$ 8 mil
3º lugar: R$ 6 mil

Melhor Frevo de Bloco
1º lugar: R$ 10 mil
2º lugar: R$ 8 mil
3º lugar: R$ 6 mil

Melhor Frevo Canção
1º lugar: R$ 10 mil
2º lugar: R$ 8 mil
3º lugar: R$ 6 mil

Melhor Intérprete
Vencedor: R$ 4 mil

Melhor Arranjo
Vencedor: R$ 6 mil

Hino da Turma da Jaqueira Segurando o Talo
Vencedor: R$ 10 mil