Extremoz: Fiscalização flagra ‘gato’ de energia em fábrica de gelo pela 2ª vez em menos de um mês

Equipes técnicas da Cosern, com apoio da Polícia Civil, identificaram e desativaram, pela segunda vez em menos de um mês, uma ligação clandestina de energia elétrica – conhecida como “gato”.

O caso ocorreu e uma fábrica de gelo na praia de Genipabu, região litorânea de Extremoz, na manhã desta quinta-feira (14). O dono do estabelecimento foi preso em flagrante por fraude.

A fábrica de gelo foi um dos endereços alvos da “Operação Gato Gelado” que a Cosern realizou em 22 de dezembro em 33 municípios potiguares e acabou desativando 25 irregularidades e resultando na prisão de cinco pessoas pela polícia.  Na ocasião, o responsável pela fábrica de gelo conseguiu fugir do local.

Nesta quinta-feira (14), ele foi preso em flagrante pela polícia e levado para a delegacia de Extremoz. Além do “gato” Identificado na fábrica de gelo, as equipes da Cosern retiraram ligações irregulares de outras seis residências nas proximidades.

O gato de energia é crime e a pena para o responsável pela fraude pode chegar oito anos de prisão, segundo a companhia energética do Rio Grande do Norte.

“Além de crime, o “gato” representa risco de morte a quem faz e a quem está próximo. A ligação clandestina também provoca perturbações no fornecimento de energia da região e pode causar a queima de eletrodomésticos dos vizinhos”, afirmou Gilmar Mikeias, gerente de Recuperação de Receita da Cosern.

A fraude é quando o consumidor já é cliente e manipula o medidor de energia com o objetivo de reduzir o consumo faturado. Já o furto consiste em desviar energia diretamente da rede elétrica da Cosern sem a medição do consumo e o conhecimento da distribuidora.

Segundo a Cosern, ao longo de 2020, foram realizadas 67.303 inspeções em unidades consumidoras e desativadas ou regularizadas 7.206 ligações irregulares em todo estado.

O volume de energia recuperado nas diversas fases da “Operação Varredura” seria suficiente para abastecer, por exemplo, os municípios de Parnamirim e de São Gonçalo do Amarante, juntos, por 30 dias.

VIA: G1RN